sábado, 19 de agosto de 2017

Nossas manifestações da cultura popular, nosso patrimônio

Veja Exposição de fotos:
                                            Maracatu Águia da Paquevira no palco;

Cartaz com Catirinas de Freitas e Torto;

   
Maracatu Águia da Paquevira; 
                                              
                                                       
 Caboclinho Alto São José;
                                           Criança posa  para foto do Carnaval;

                                          Ornamentação do Palco Levino Ferreira;
                                       
Balé Popular desfila nas ruas. (Fotos:Edgar Santos).

Semana do Patrimônio Cultures
Manifestações da Cultura Popular - Carnaval Levino Ferreira, Bom Jardim - PE.
Encontro de Burrinhas, Caboclinhos,Catirinas e Maracatus de Pernambuco.
Fotografia:Edgar Santos
Manifestações:Passistas do Balé Popular,Caboclinhos, Burrinhas, Orquestras de Frevo, Maracatu, Catirinas, Boi, Blocos Carnavalescos, Músicas...
Fonte:https://www.facebook.com/estcebomjardimpe/

Professor Edgar Bom Jardim - PE

15 países condenaram a atitude da Assembleia chavista em assumir as funções do Legislativo eleito em 2015 que tinha maioria formada pela oposição


O Parlamento da Venezuela, de maioria opositora, organizou uma sessão neste sábado (19), depois que a Assembleia Constituinte do ditador Nicolás Maduroassumiu as funções de legislar no país. A nova composição, que retira os poderes do Legislativo eleito em 2015, provocou repúdio internacional.
“Esta fraudulenta decisão é nula, esta Constituinte é nula. Terão esta Assembleia Nacional com maior firmeza impedindo qualquer violação à Constituição”, disse o vice-presidente do Parlamento, Freddy Guevara, em uma entrevista coletiva antes da sessão.
Na sexta-feira, Assembleia Constituinte, que rege a Venezuela com poderes absolutos, acordou, por unanimidade, assumir as funções do Parlamento para legislar nas áreas de segurança, soberania, economia, finanças, bens do Estado, entre outros.
O deputado afirmou que o principal objetivo da Constituinte ao assumir as funções da Assembleia Nacional (Parlamento) é aprovar contratos e obter financiamentos de outros países, em meio à severa crise econômica da Venezuela, agravada pela queda dos preços do petróleo, fonte de 96% das divisas do país.
“Não vamos avalizar contratos que violem a Constituição”, advertiu Guevara. A parlamento, contudo, não tem poder de decisão desde que o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) o declarou em situação de desacato.
Um dos líderes da oposição, Henrique Capriles, pediu à Organização dos Estados Americanos (OEA) e “demais instâncias internacionais (…) assumir que na Venezuela há um autogolpe continuado”. Ao mesmo tempo, o constituinte chavista Diosdado Cabello negou a dissolução do Parlamento.
A sessão deste sábado (19) tem a presença de representantes do corpo diplomático, a convite dos deputados opositores.
“O mundo com o povo e com a Assembleia (…). Hoje tomaremos várias decisões importantes, abrir uma investigação contra todas as pessoas que estão usurpando funções, além de estimular a pressão internacional em apoio à democracia”, disse Guevara.
A decisão da Constituinte provocou um forte repúdio internacional. O secretário-geral da OEA, Luis Almagro, a considerou ilegítima e inconstitucional. Ele pediu uma reunião especial do organismo.
O chamado grupo de Lima – Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Honduras, México, Panamá, Paraguai e Peru – expressou em um comunicado a enérgica condenação à decisão da Constituinte de “usurpar as funções” do Parlamento. O Mercosul, Estados Unidos, Espanha e Inglaterra também criticaram a medida.
Ao mesmo tempo que a Constituinte anunciou sua polêmica decisão, a ex-procuradora-geral Luisa Ortega desembarcou em Bogotá, burlando a proibição de deixar o país, acompanhada de seu marido, o deputado Germán Ferrer, ambos chavistas dissidentes.
O novo procurador designado pela Constituinte, Tarek William Saab, abriu uma investigação contra Ferrer, que o governo acusa de integrar uma rede de extorsão.
Luisa Ortega se afastou de Maduro no fim março, ao classificar de ruptura da ordem constitucional decisões com as quais o TSJ despojou de competências o Parlamento.
(Com AFP)
Professor Edgar Bom Jardim - PE

Lula declarou que investigações o 'infernizam'


No último dia da passagem de sua caravana pela Bahia, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva participou de um evento com agricultores familiares e o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) em Feira de Santana (BA).
Na cidade, segundo maior colégio eleitoral baiano e governada por um prefeito do DEM (José Reinaldo), Lula não tratou diretamente das eleições de 2018, mas falou como candidato ao dizer que quer “consertar” um “país quebrado”. “Se tem uma coisa que eles sabem é que nós podemos consertar esse país”, declarou petista, em um palco montado na casa de shows Estação da Música.
Ao lado do governador da Bahia, Rui Costa (PT), e da senadora e presidente do PT, Gleisi Hoffmann, entre outros petistas, Lula lembrou os feitos de seu governo na área social, sobretudo no campo e na educação, e atacou o governo do presidente Michel Temer“Nós não temos governo. Esse governo não representa o povo, representa uma parte da imprensa e os deputados picaretas que votaram o impeachment da Dilma“, disse o ex-presidente.
Além de questionar a legitimidade de Temer, o petista criticou a reforma da previdência proposta pelo governo do peemedebista, que ele acusou de querer “acabar com a aposentadoria do trabalhador rural”. “Eles têm que saber que aposentadoria é um pagamento que a nação tem para com o povo que trabalhou e produziu a vida inteira nesse país”, discursou.
Professor Edgar Bom Jardim - PE

Falta abrigo noturno para moradores de rua no Recife


Das 7h às 14h deste sábado (19), na Praça do Arsenal, no Bairro do Recife, um mutirão atendeu pessoas em situação de vulnerabilidade. A ação foi realizada para marcar o Dia Nacional de Luta do Povo da Rua. O evento organizado pelo coletivo Unificados pelas Pessoas em Situação de Rua, rede formada por 20 instituições que trabalham nesta mesma causa, ofereceu atendimento médico, odontológico e estético para a população de rua, além de um café da manhã. 

As defensorias públicas da União e do Estado também estiveram presentes com o objetivo de encaminhar essas pessoas para os órgãos responsáveis pela retirada e regularização de documentos. A ação destacou a necessidade de um abrigo noturno e expôs a alta demanda para auxílios deste tipo. 

De acordo com os organizadores do evento, o planejamento era receber 150 pessoas. A expectativa, porém, foi superada e mais de 250 foram atendidas. O que causou a desistência de alguns interessados no serviço. “Esse pessoal aqui é muito bom, mas isso é muito pouco, porque falta incentivo do governo. Nossos governantes deviam fazer mais coisas assim como a que esse pessoal fez. Ao invés de colocar polícia na rua para prender as pessoas, deviam colocar mais gente para cuidar das pessoas”, observou o morador de rua Arlindo Alves dos Santos, 51 anos. 

“Infelizmente para a quantidade de gente que tem na rua, isso é muito pouco. Não deveria ser uma vez ou outra, deveria ser algo constante, algo de verdade, não só para comemorar data. Porque alimentação mesmo, você come hoje, mas e amanhã como vai fazer para comer?”, completou o morador de rua. A preocupação dele é real. Segundo um levantamento dos abrigos da Prefeitura do Recife, de novembro de 2016, 1040 pessoas foram identificadas em situação de rua, destas, 10% vivem há mais de dez anos na rua. 

Arlindo mora na rua desde que foi expulso de sua casa por traficantes no meio do ano passado. Assim, ele foi ao mutirão em busca de receber a ajuda da defensoria pública, e conseguir reaver seu imóvel. Apesar de ter chegado no início do ato, ele não usufruiu de todos os serviços ofertados. “Desde manhã cedo estou aqui e não consegui tomar banho nem comer, porque tinha muita gente. Só consegui cortar meu cabelo, mas a barba eu mesmo que fiz. Vim aqui mais para receber um encaminhamento da defensoria pública, e consegui”, contou.

O intuito da ação foi também chamar atenção para a construção de um Abrigo Noturno, algo que não existe no Recife. “Hoje, a gente tem no Recife abrigos integrais, mas não atende a demanda, que é bem maior, inclusive, do que a prefeitura informa. Mas a demanda maior é mesmo para um abrigo só noturno. Porque muitas das pessoas que vivem na rua, durante o dia, têm ocupação. Ou seja, eles tem uns bicos ou trabalhos informais que deixam ocupados nesse turno. Assim eles não demandam um abrigo durante o dia”, explicou Rafael Araújo, coordenador do grupo Samaritanos, que participou da ação na Praça do Arsenal.

Apesar da cidade conter abrigos de média e longa permanência, o funcionamento ocorre só até o início da noite. Mas o período noturno é o mais perigoso para quem mora na rua, como explica Rafael Araújo. “Muitas das pessoas que vivem na rua, durante o dia, tem ocupação. Ou seja, eles tem uns bicos ou trabalhos informais que deixam ocupados nesse turno. Assim eles não demandam um abrigo durante o dia”. 
Professor Edgar Bom Jardim - PE

A sexualidade feminina na terceira idade

Três britânicas que participaram do programa Daily, da rádio 5 Live da BBC
Image captionEssas três britânicas falaram com sinceridade sobre a sexualidade na terceira idade
Joyce, Shirley e Dee são três britânicas de 82, 61, 69 anos, respectivamente. Ao programa Daily, da rádio BBC 5 Live, elas falaram sobre um tema que é um tabu quase universal: a sexualidade na terceira idade.
Uma enquete realizada pelo próprio programa no Reino Unido sugere que pessoas entre os 60 e 70 anos têm relações sexuais várias vezes por mês.
Além disso, segundo o levantamento, esse número se mantém alto quando as pessoas envelhecem: uma em cada seis pessoas de mais de 70 anos diz que faz sexo várias vezes ao mês.
A seguir, a BBC reuniu alguns dos momentos mais interessantes do programa.

Como são os orgasmos quando você é mais velho?

Essa foi uma das perguntas que a apresentadora do programa, Emma Barnett, fez às três britânicas. Elas se mostraram quase unânimes:
"Provavelmente melhor", respondeu Shirley. "Eu também acho", diz Dee. Melhor aos 80 que aos 20 anos de idade? Joyce respondeu, convicta: "Sim, acredito de verdade que é melhor".
Para elas, uma das razões que explicam o prazer maior na terceira idade é o conhecimento do próprio corpo. Segundo Dee, com a velhice, ela passou a se preocupar menos com a opinião dos outros. "Eu já cresci, já cometi meus erros e já aprendi as lições. Você se sente mais confortável com a pessoa que é. Antes eu não tinha tanta confiança em mim mesma", diz ela.
Com a idade, "você controla mais o que quer", diz Shirley.
As três concordaram: o conhecimento do próprio corpo ajuda na busca pelo prazer e a ter confiança de dizer e "mostrar-se" ao parceiro. Além disso, elas dizem que hoje são menos estressadas e não têm preocupações com a gravidez.
Idosos se beijandoDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionUma pesquisa da BBC no Reino Unido sugere que pessoas entre os 60 e 70 anos têm relações sexuais várias vezes por mês

Quais as diferenças com as relações sexuais de quando se foi mais jovem?

"Nós rimos muito. Há muito rangidos e gemidos, e também posições desconfortáveis. Mas nós tratamos com humor", diz Joyce, que vive com seu marido, também octogenário. Ela conta que os dois chegaram a fazer sexo duas vezes por dia.
"Não tem mais aquela ansiedade de se fazer um show", brinca ela. Segundo Joyce, os jovens enxergam o sexo como algo que gira em torno da beleza, do glamour, de barrigas definidas e pele perfeita. "Quando você fica mais velho, o que importa é o contato humano."
As três concordam quando falam sobre prazer e sensibilidade. "A sensualidade não muda com a idade. A excitação e o prazer são os mesmos. É bom da mesma forma, talvez com os níveis de hormônios mais baixos", diz Joyce. "Sem dúvida, a grande diferença é o tempo. Você tem mais tempo quando está aposentado".
Shirley não tem um parceiro desde o ano 2000, mas diz ter uma vida plena e feliz. "Eu me masturbo", afirma. Ela diz que não sente falta de um companheiro, porque não encontrou a pessoa certa.
"Posso dar prazer a mim mesma e não preciso fazer concessões", diz. Ela conta que chama a atenção dos homens, mas que não está interessada em sexo rápido e selvagem, como quando era jovem. "Não estou interessada em soluções rápidas. Quero uma vida plena", explica.
Dee, Shirley y Joyce falando co, Emma Barnett, a presentadora de BBC Radio 5 Life
Image captionAs três britânicas disseram ao programa Daily, da rádio 5 Live, que sexo depois dos sessenta é mais prazeroso

Como se sentiria ao ficar nua na frente de alguém pela primeira vez aos 70 anos?

"Talvez eu precise tomar um par de taças de vinho", brinca Dee. Depois, no entanto, ela conta que disse a si mesma "Quer saber, Dee? Está tudo bem. Não é perfeito, você tem sua barriga e suas rugas, mas está tudo bem."
Ela acrescenta: "E se a pessoa não pode ver o quanto sou boa, o problema é dela".
Shirley aponta que as mulheres jovens têm muitas inseguranças sobre sua aparência. "Isso melhora com os anos", diz.

Uma mensagem para as jovens: 'o espírito segue com 18 anos'

"À medida que você envelhece, continua se sentindo jovem, muito jovem, isso não muda", diz Joyce. "Quando você tem 80 é como se tivesse 18, só que com mais rugas e peças raras no corpo. Mas você ainda é a mesma pessoa."
Ela dá uma dica sobre as rugas: "Eu diria às jovens que não se preocupem com as rugas. A atração está em como você é, no brilho dos olhos e na alegria de viver que você irradia. E isso dura até os 90".
"Talvez depois dos 90 você fique um pouco debilitada", afirma.
Shirley discorda: "Talvez não". Sorrindo, Joyce agora muda de opinião: "É, talvez não".
Professor Edgar Bom Jardim - PE

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Crescer em São José do Egito: a trilha sonora poética de viver no Sertão pernambucano

Em São José do Egito, cidade conhecida como Berço Imortal da Poesia, tudo vira rima. E a vida do povo, desde muito cedo, ganha beleza e métrica - há um poeta em cada esquina. Nossa história é um bom exemplo, são matérias-primas, cultura e educação. Ela começa na Escola Técnica Estadual Professora Célia Siqueira, onde jovens querem fazer poesia e canção. Eles planejam ganhar a vida como engenheiros, médicos, advogados - mas a paixão pelos versos é a maior das certezas à qual têm chegado. Criaram, em 2016, o grupo Poesia Cantada: cantam e declamam músicas brasileiras de outras décadas, dizendo terem nascido na época errada.
“Nosso repertório é feito de clássicos da MPB, hits da Jovem Guarda, boleros, coisas mais antigas. Entre um trecho e outro das músicas, os meninos declamam poesia”, explica Larissa Gabrielly de Souza, 17 anos, a vocalista da banda. Ela canta desde os sete anos e começou bem cedo a fazer planos: quer ser médica e cantora – no destino, ela é quem manda. É o rosto do grupo de sete jovens do Sertão pernambucano, criado para um show de talentos da escola. Há pouco mais de dois anos, a estreia deu tão certo, que decidiram viajar Sertão afora. Articularam pequenos shows e caíram na estrada, levando os violões na sacola. Segredo (Herivelto Martins/Marino Pinto), Pense em mim (Douglas Maio/José Ribeiro/Mário Soares) e Linda flor (Henrique Vogeler/Luis Peixoto/Marques Porto) estão sempre entre as mais pedidas, seja qual for a cidade. A única composição autoral do grupo também ganha aplausos - e se chama Saudade.
Gestor Niedson Amaral é um grande incentivador do grupo. Foto: Rafael Martins/DP
Gestor Niedson Amaral é um grande incentivador do grupo. Foto: Rafael Martins/DP
Quem acompanha tudo de perto, desde o primeiro ato, é um atento gestor. Niedson Amaral, de 40 anos, chegou há dois no centro de ensino e se tornou grande incentivador. “O projeto começou despretensioso, espontâneo, mas tem mudado a perspectiva do grupo quanto ao futuro”, avalia o educador. Ele inscreve o grupo em eventos, dá carona para os shows, aconselha os meninos a continuarem a compor. “Eles se tornam seres humanos mais completos, porque a arte é fundamental para desenvolver a sensibilidade, o exercício de ver o outro”, diz o professor. Na Célia Siqueira, como em todas as escolas estaduais do município, poesia é disciplina da grade curricular. Os professores ensinam as métricas, citam poetas locais, fazem de tudo para estimular. Somente na ETE, são mais de 450 alunos pondo a tal veia poética para trabalhar.
Parentes e vizinhos também entram na roda. Aqui, todo mundo se chama de “poeta”, dizem que é costume secular que não sai de moda. Veja Gabriel Guilherme de Souza, 17, tocador de cajón da banda e filho de artista popular. O pai, Chiquinho do Egito, figura conhecida no município, foi quem lhe ensinou a rimar. “A poesia é uma tradição, isso une as pessoas aqui. Quando entrei no Poesia Cantada, fizemos vaquinha para comprar meu cajón”, lembra o rapaz. “Fomos para a beira da estrada cobrar 'pedágio', todo mundo ajudou”, completa, como quem diz e também faz. Ele quer ser psicólogo, mas não pensa em deixar de tocar. A saga do cajón, ele assegura, serviu para lhe ensinar: a poesia é força poderosa nessas bandas que não se pode ignorar.
Jovens servem como referência na escola para manter a poesia viva. Foto: Rafael Martins/DP
Jovens servem como referência na escola para manter a poesia viva. Foto: Rafael Martins/DP
Completam a tal banda Péryclys Pereira da Silva, 19, e Rodrigo Veras da Silva, 17, de quem não é irmão. Também Edvaldo da Silva Pereira Filho, 16, Mikael da Silva de Melo, 17, e Everson Heleno Aguiar, 17, são dos poetas a roubar a cena no Sertão – na tal banda, juntam-se aos vocais de Larissa e ao cajón de Guilherme, que já ganharam apresentação. Péryclys e Rodrigo, os trovadores do grupo, são quem improvisam os versos conforme o tema da canção. “Tentamos incentivar os mais novos a continuarem, criarem coisas parecidas que mantenham a poesia viva”, diz Péryclys, junto aos planos de gravar um disco até o próximo São João. 
Concluída a escola técnica, os meninos querem fazer faculdade, vão cada um pra uma cidade, sabem do risco de se separar. Larissa quer cursar medicina, Rodrigo, fisioterapia e Péryclys quer advogar. O sonho era viver de rima, mas se ser adulto e sonhar nem sempre combina, eles pretendem conciliar. “A música e a poesia que a gente faz nem sempre têm espaço no mercado, sobretudo fora de São José do Egito”, lamenta a menina que só quer cantar. “Hoje toca muito sertanejo, é muito difícil pra quem gosta de outras coisas”, pondera Larissa na escola, onde todo fim de semana vai ensaiar. Ela canta, sonha e estuda, lhe disseram que a poesia tudo muda e pode a sua sorte virar. Essa reportagem é para Larissa - e quem faz poesia com ela - nunca desanimar: a vida dá muitas voltas, é preciso colocar os sonhos nas costas e por eles querer lutar. Mas no fim tudo se ajeita, o percurso é o que mais se aproveita, só não vale deixar de rimar.
Diário de Pernambuco.
Professor Edgar Bom Jardim - PE

A população desonesta e a violência do cotidiano no Recife


Cerca de 180 mil pessoas embarcam sem pagar todos os dias nos ônibus do Recife e Região Metropolitana. O número é equivalente a 10% dos passageiros transportados. Com o intuito de combater fraudes nos coletivos, o Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros no Estado de Pernambuco (Urbana/PE) lançou, nesta quinta-feira (17), a campanha "Faça Certo".

Por outro lado, os passageiros reclamam da falta de fiscalização e de pontos de recargas inativos, no caso dos BRTs. “Acho que a maneira de inibir isso aí com segurança é colocando orientadores nos pontos para instruir o povo", observou Emerson Silva, de 26 anos. " Fora isso, a maioria do pessoal que eu vejo reclamando é que os pontos de recarga estão quebrados. Eles tem que andar até outro terminal para poderem fazer a recarga", completou Emerson. 

Segundo o consultor da Urbana/PE, Bernardo Braga, o embarque irregular é um dos grandes problemas enfrentados diariamente. "Os embarques irregulares e fraudes no sistema são um dos principais problemas que o setor de transporte público enfrenta. Eles impactam diretamente na qualidade do serviço, no conforto dos usuários e também no custo do deslocamento, ou seja, no valor da passagem", disse.

Para ajudar no processo de conscientização da população, equipes de fiscalização e orientação estarão em todos os principais corredores dos coletivos da Região Metropolitana do Recife (RMR). "A situação é grave, cerca de 10% dos passageiros transportados embarcam de forma irregular, isso representa 180 mil pessoas diariamente sendo transportadas sem efetuarem o pagamento da tarifa", afirma Bernardo.

Aumento da passagem
Ainda de acordo com o consultor, a tarifa da passagem é calculada dividindo o custo da operação pela quantidade de passageiros pagantes. "Se essa quantidade é reduzida, a passagem fica mais cara. Se a gente conseguir reduzir o impacto das fraudes, através desse esforço, conseguiremos melhorar relação entre custo e arrecadação e isso certamente pode ser repassado para a o valor da tarifa", relata.
Foto: Rafael Furtado/Folha de Pernambuco
Professor Edgar Bom Jardim - PE

Hospital de Câncer promove simpósio


A terceira edição do Simpósio em Oncologia começa nesta sexta (18) terá mesas e conferências com especialistas renomados para discutir as perspectivas e o futuro do tratamento do câncer. O evento é promovido pelo Hospital de Câncer de Pernambuco (HCP) até o sábado (19) e deve reunir mais de 200 estudantes de profissionais da área de saúde. A programação completa está disponível no site do HCP.

Um dos palestrantes é o médico Renato Martins, professor de Medicina e diretor da área de tumores sólidos do Seattle Cancer Care Alliance/Universidade de Washington. Vindo dos EUA, o professor abordará, ainda, a pesquisa clínica em Oncologia e o tratamento de cânceres de cabeça e pescoço metastáticos.

SERVIÇO
III Simpósio em Oncologia
Data: 18 e 19 de agosto
Local: Hotel Courtyard by Marriott, em Boa Viagem

Professor Edgar Bom Jardim - PE

Mulher de vereador foi arrastada pela escada e obrigada comer terra.


Meu medo é de repressão, medo que façam algo comigo". O desabafo é da educadora física, de 33 anos, ex-mulher do vereador Guilherme Prócida (PSDB), de Mongaguá, no litoral de São Paulo. Ele foi condenado essa semana pela Justiça a três meses e 18 dias de detenção por agredí-la.
As agressões que motivaram a mulher a denunciar Guilherme à polícia ocorreram às vésperas do Natal de 2011. Na ocasião, ela discutiu e acabou ferida pelo ex-marido após descobrir uma suposta traição. A educadora disse que recebeu socos na cara, foi arrastada pela escada e obrigada comer terra.
"Sinto que o físico recupera-se, as feridas saíram. Mas o psicológico não, esse está abalado", desabafa. Para a vítima, que prefere manter o anonimato, o caso dela serve de exemplo para outras mulheres que são vítimas de violência doméstica pelo país e têm medo de denunciar o companheiro à polícia.
"Fui humilhada, ameaçada. Mesmo que eu ache injusta a pena, por todo o meu tempo de sofrimento e lembranças, vejo que ele não saiu totalmente impune", disse. A condenação ocorreu na última segunda-feira (14), após a Justiça entender que os ferimentos que ela sofreu ocorreram pelas agressões do então marido.

"Sofri muitas ameaças. Não sei até que ponto o Guilherme pode chegar por sua própria imagem, pois o descrevo como uma pessoa fria, insensível e sem compaixão", desabafou, em entrevista ao G1. Após o ocorrido, ela se divorciou e foi morar com familiares no interior do estado.

'Pacificador'

Após a repercussão do caso, na quinta-feira (17), o vereador Guilherme Prócida publicou uma postagem em uma rede social se dizendo inocente de todas as acusações. "Nunca tive problemas. Sou totalmente contra violência e sou noivo de uma mulher maravilhosa. Sempre fui pacificador", escreveu.
Por nota, quatro advogados que trabalham na defesa do vereador afirmam que consideram o cliente inocente e que testemunhas provaram isso nos autos. "As alegações mostram claramente a intenção de expor e denegrir a imagem do Guilherme, mesmo sem haver uma decisão definitiva da Justiça", pontuaram.
Ainda por meio do comunicado, a defesa do parlamentar disse que vai acionar a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) pelo fato da advogada da ex-mulher do cliente ter "tentado se auto-promover com um processo que corre em segredo de Justiça, justamente pela fragilidade das afirmações".

O caso

"A briga ocorreu dentro da casa deles. Após relatar o que sabia ao Guilherme, ele deu diversos socos na cara dela, a puxou pelos cabelos e a arrastou pelas escadas. Ela disse que contaria a todos sobre a vida promíscua que ele mantinha, inclusive frequentando casas de swing [troca de casais]", disse a advogada da ex-mulher, Cristina Yoshiko Saito.
Segundo Cristina, na mesma ocasião, ele a fez engolir a raiz de uma planta. "Ele disse que ela tinha que comer terra para parar de falar as coisas. Depois disso, a ex-mulher saiu da cidade ameaçada e escorraçada. Ela decidiu por registrar o caso na polícia e continuar com a ação em seguida", explicou.
Durante o processo, a advogada afirma, também, que a educadora física chegou a ser ameaçada. "Ela recebeu e-mails com avisos. Em um deles, estava escrito: 'Cuidado, você pode amanhecer boiando em um rio'. Tudo isso está nos autos, que foram julgados após quase cinco anos", afirmou a defensora.
A ex-mulher decidiu se separar do vereador após o ocorrido e se mudou para o interior do estado. "Não houve absolvição por parte do Ministério Público, nem prescrição da pena de agressão", disse a advogada. Divorciado, Guilherme Prócida é filho do prefeito da cidade, Artur Parada Prócida (PSDB).

Fonte: G1.
Publicado em 18 de agosto 2017.
Professor Edgar Bom Jardim - PE

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Nossa música, nosso patrimônio - Bráulio de Castro

Semana do Patrimônio Cultures

CIDADE DOS REIS
(Bráulio de Castro e João Araujo).

Cidade feita de granito imperial
Com a cabeleira majestosa dos ipês
E as ondas altas desse sonho musical
Airton, Dimas e Levino são os reis.
A matriz de San' Ana simboliza a paz
A pedra do navio desponta luz em mim
O casario e essas grutas naturais
Faz minha cidade tão linda assim.

Batutas de Bom Jardim
Renasce da força e do amor
Para cantar a sua terra
Qual um querubim e recordar
as suas glórias com louvor.
(bis).

DO CD. BOM JARDIM, TERRA DA MÚSICA E DAS FLORES DE OURO
Música feita em homenagem a três grandes músicos de Bom Jardim, terra natal de: Levino Ferreira, Dimas Sedícias e Airton Barbosa (Dêga).
Bom Jardim, 17/08/2017.
Divulgação: Cultures Bom Jardim - PE.
Foto: Neide Santos
Professor Edgar Bom Jardim - PE